DF registra menor número de homicídios em 25 anos

“Nos últimos anos, o Distrito Federal tem consistentemente reduzido os índices criminais, especialmente os homicídios, graças a uma gestão de segurança pública consolidada e em constante aprimoramento, com o apoio do governador Ibaneis Rocha”, destaca o secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar | Foto: Divulgação

Primeiro semestre de 2024 encerra com menor índice de vítimas de homicídios e de crimes violentos letais intencionais (CVLIs) deste século no DF. Roubos em transporte coletivo caíram pela metade na capital federal

O Distrito Federal celebra um marco histórico na segurança pública: o menor número de vítimas de homicídios e de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) em 25 anos, como latrocínio e lesão corporal seguida de morte. O DF Mais Seguro – Segurança Integral, tem desempenhado um papel crucial para a constante queda nos principais índices criminais, implementando uma política de segurança que envolve imprensa, instituições religiosas, universidades e o setor produtivo nos processos de gestão. O programa permite a integração eficiente entre tecnologia, inteligência policial e um relacionamento próximo com diversos setores da sociedade civil.

Nos primeiros seis meses do ano, os CVLIs, incluindo os homicídios, mantiveram-se em queda em comparação a 2023, ano em que o DF registrou o menor índice de homicídios dos últimos 47 anos. O número de casos de homicídios no semestre é o menor desde 2000, com 17% de redução. Foram 96 registros, entre janeiro e junho deste ano, contra 116 no mesmo período do ano passado. É a primeira vez, na história da capital, que os números deste crime chegam a “dois dígitos” no semestre.

“Temos atuado com base em estudos de manchas criminais, e com relatórios de inteligência, de forma cada vez mais precisa em locais, dias e horários em que cada crime mais acontece. Menos tempo e desperdício de recursos, mais precisão e eficiência”, Alexandre Patury, secretário-executivo de Segurança Pública

“Nos últimos anos, o Distrito Federal tem consistentemente reduzido os índices criminais, especialmente os homicídios, graças a uma gestão de segurança pública consolidada e em constante aprimoramento, com o apoio do governador Ibaneis Rocha. Reformulamos nossas ações e projetos sob a perspectiva da integralidade, ampliando a participação da sociedade no debate e nas decisões de segurança pública”, destaca o secretário Sandro Avelar.

“A microrregionalização do trabalho, aproximando-nos da realidade de cada região, foi fortalecida com a reformulação dos conselhos comunitários de segurança (Consegs). Também investimos na inteligência, no videomonitoramento e na melhoria das condições de trabalho das corporações, com novas unidades policiais, viaturas e equipamentos”, acrescenta.

Crimes contra a vida

Investimentos do GDF em novas unidades policiais, viaturas e equipamentos melhoram as condições de trabalho das corporações e contribuem para os resultados na área de segurança pública | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Em relação ao número total de vítimas de CVLIs – que englobam homicídios (e feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte – também foi o menor em 25 anos, com 108 registros. Isso representa queda de 26% em relação ao primeiro semestre do ano passado, quando foram contabilizados 146 casos. Nos latrocínios, que é o roubo seguido de morte, foram registrado dois casos no semestre, o menor desde 2000, com sete vítimas a menos no comparativo com 2023. O balanço aponta também quedas significativas nas tentativas de homicídio e de latrocínio, de 9,5% e 30,2% respectivamente.

Os roubos em transporte coletivo diminuíram 54,2%, passando de 275 ocorrências no ano passado para 126 este ano, o que corresponde a 149 ocorrências a menos

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), José Werick, o trabalho pautado pela excelência investigativa e pelo uso de técnicas avançadas é fator essencial para a redução da criminalidade.

“Nossa equipe de policiais civis, em todos os casos, recorre a perícias técnico-científicas para analisar vestígios coletados nas cenas dos crimes. Esse rigor técnico contribui para a materialização das provas e para a elucidação rápida e eficaz dos delitos. Continuaremos investindo na capacitação e valorização dos servidores, bem como na busca de métodos de investigação mais modernos, sempre com o objetivo de garantir a segurança e a paz dos cidadãos”.

Crimes contra o patrimônio

Cinco dos seis principais crimes contra o patrimônio apresentaram queda no primeiro semestre deste ano. São eles: os roubos a transeunte, em transporte coletivo, de veículo, em comércio e em residência. Destaque para os roubos em transporte coletivo, que diminuíram 54,2%, passando de 275 ocorrências no ano passado para 126 este ano, o que corresponde a 149 ocorrências a menos.

“Nossa equipe de policiais civis, em todos os casos, recorre a perícias técnico-científicas para analisar vestígios coletados nas cenas dos crimes. Esse rigor técnico contribui para a materialização das provas e para a elucidação rápida e eficaz dos delitos”, José Werick, delegado-geral da PCDF

O secretário-executivo de Segurança Pública, Alexandre Patury, destaca que as operações conjuntas entre forças de segurança pública e órgãos de governo têm impactado na redução destes tipos criminais. “Temos atuado com base em estudos de manchas criminais, e com relatórios de inteligência, de forma cada vez mais precisa em locais, dias e horários em que cada crime mais acontece. Menos tempo e desperdício de recursos, mais precisão e eficiência”.

Os roubos em comércio caíram de 302 para 200 no comparativo dos primeiros seis meses, uma redução de 33,8%. Nos roubos a transeunte, de veículo, e em residência, as reduções no comparativo semestral foram de, respectivamente, 22%, 17,2% e 24,8%. No caso dos furtos em veículos, que é quando objetos ou acessórios são subtraídos sem que a vítima perceba, por exemplo, houve aumento de 3,5% nas ocorrências.

Dois mil agressores presos

Os esforços de prevenção e investigação resultaram em uma redução de 63% nos feminicídios no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Foram registrados oito feminicídios em 2024, contra 22 em 2023. No primeiro semestre, 2.112 agressores foram presos, em flagrante, por diversos crimes relacionados à Lei Maria da Penha, 4% a mais no comparativo com 2023.

A política de segurança, o DF Mais Seguro – Segurança Integral, contempla um eixo exclusivo para tratar dessa temática: o Mulher Mais Segura. O segmento reúne medidas preventivas e tecnológicas voltadas à proteção da mulher e ao combate à violência doméstica e familiar. O investimento no Viva Flor e no Dispositivo de Proteção à Pessoa (DPP), por exemplo, permitiu a ampliação dos números de monitorados de 82% e 60% este ano, respectivamente, em relação ao ano passado.

*Com informações da SSP-DF

Artigo anterior“O grosso já começou a entrar”: Ricos poderão pagar mensalidades em Universidades públicas
Próximo artigoVocê sabia? Brasília abriga museu dedicado exclusivamente à história do piano