J&F dos irmãos Batista teve 17 reuniões em ministério antes de ganhar MP de Lula

Presidente Lula e Alexandre Silveira / Foto: Agência EBC

Ministro Alexandre Silveira e presidente da Âmbar se encontraram fora da agenda oficial

Executivos da Âmbar Energia, empresa do Grupo J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, compareceram 17 vezes no Ministério de Minas e Energia fora da agenda oficial.

Os encontros foram realizados antes da edição da medida provisória assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 13 de junho, na qual o presidente beneficiou um negócio da companhia na área de energia elétrica e repassou o custo para os consumidores brasileiros.

O ministério e a Âmbar afirmam que os encontros não se trataram da medidas provisória, mas também não informaram o assunto dos encontros, de acordo com o jornal Estado de S. Paulo.

As reuniões ocorreram entre junho de 2023 e maio deste ano. Os executivos da Âmbar realizaram encontros reservados com o ministro Alexandre Silveira, o secretário-executivo Arthur Cerqueira, o secretário nacional de Energia Elétrica , Gentil Nogueira, e o ex-secretário-executivo da pasta Efrain Cruz.

A última reunião ocorreu no dia 29 de maio, uma semana antes de o texto da medida provisória sair do Ministério de Mina e Energia e ir pra Casa Civil. O encontro foi realizado por Silveira e o presidente da Âmbar, Marcelo Zanatta.

Nenhum destes encontros aparecem na agenda oficial e pública de Alexandre Silveira. O chefe da pasta também recebeu o executivo no dia 21 de maio.

Reuniões da empresa dos irmãos Batista foram descobertas por Novo

Os registros foram enviados a um pedido via Lei de Acesso á informação e de lisura do processo. A deputada Adriana Ventura (Novo-Sp) se incomoda e destaca a falta de transparência e de lisura do processo.

As evidências de repetidas reuniões entre representantes da Âmbar Energia e o Ministério de Minas e Energia e a celeridade incomum na aprovação dessa medida levantam séria questões sobre a transparência e a lisura deste processo”, afirma a parlamentar.

O ministro Alexandre Silveira afirmou que o beneficío á empresa dos irmãos Batista foi uma “mera coincidência”, após a publicação da medida provisória. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é a resposável para investigar a negociação.

A medida provisória assinada por Lula prevê recursos para socorrer o caixa da Amazonas Energia no intuito de cobrar pagamentos que a distribuidora deve fazer fazer para termelétricas compradas pela Âmbar de Eletrobras. O dinheiro virá dos consumidores, que irão ser cobrados na conta de luz por até 15 anos.

Diário do Poder

Artigo anteriorGDF regulamenta Lei do Aluguel Social para vítimas de violência doméstica e em vulnerabilidade social
Próximo artigoApós reportagem de O Antagonista, TCU suspende megalicitação da Secom